quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Ano Novo

Arrumo as gavetas na esperança de arrumar as ideias, alinhar os chakras, pôr ordem no feng shui. Mas as gavetas são mais fáceis de arrumar que a desordem das ideias, o caos dos pensamentos. Deito fora papéis de rebuçados, pacotes de açúcar coçados, guardanapos com desenhos, no mínimo estranhos, memórias de coisas das quais já não me lembro. Lembranças de outras aventuras, para as quais não há bibelôs ou souvenirs que as valham, essas, permanecem cá dentro. Sacudo o pó dos móveis na tentativa de com cada pequena partícula voem também, para não mais voltarem, os sentimentos de culpa, as inseguranças e os medos que como bolas de cotão se nos vão prendendo ao corpo. Faço a cama de lavado. Como se a frescura da almofada e cheiro a sabão tradicional, se transmitisse por osmose directamente para dentro da minha cabeça. Tiro de cima da mesa da cabeceira, demorando-me no pormenor das capas, todos os livros que ali se acumularam ao longo do ano. Outros hão-de adorná-la no ano que vem. Alinho as roupas no roupeiro. Endireito os casacos e as calças nos cabides o melhor que posso sem roçar o neurótico.
Aproveito-me, sem vergonha, da ideia romântica e que com um novo ano começará um novo ciclo, uma nova fase, enfim, algo de novo.
E ninguém quer começar o quer que seja com o quarto por arrumar.

3 comentários:

Zé-do-Telhado disse...

Aqui vai um empurrãozinho, disfarçado de sorriso*

Bom Ano Novo vizinha =)

O Meu Outro Eu Está a Dançar disse...

somos parecidas! :)

eu e o meu quarto, já arrumados. venha ele!

Anónimo disse...

Uns acabam por arrumar e limpar o quarto dia 1! =P
Bom Ano!