segunda-feira, 19 de julho de 2010

Gestão de Expectativas ou A Analogia das bolas de Berlim do Sr João Pinto da praia de Carcavelos

Imagino que o Sr. João Pinto acorde de manhã muito cedo e se levante da cama num salto. Aposto que faz todos os dias a barba, toma banho dia-sim-dia-não e que se demora a saborear o seu pequeno-almoço de sopas de pão da véspera migadas em café com leite, com os olhos perdidos nos azulejos da cozinha. Enquanto isto a sua esposa, a senhora Pinto, acaba de fritar as bolinhas de Berlim que o senhor Pinto leva bem aconchegadas na maleta branca com o seu nome escrito a letras encarnadas para vender aos banhistas da praia de Carcavelos. Tudo pronto, o senhor João dá um beijo na esposa, muito embora eu desconfie que este senhor é mais adepto do açoite carinhoso no rabo, e sai porta fora cantarolando um fadinho do Alfredo Marceneiro ou uma outra música qualquer daquelas que ficam na cabeça. A partir daí já não é preciso imaginar mais nada. Toda a gente sabe que o senhor Pinto corre a praia de Carcavelos de lés a lés a apregoar as suas bolas de Berlim fresquinhas. O que ninguém sabe e nem o próprio Senhor João Pinto desconfia, é que as suas bolas, salvo seja, são a analogia perfeita* para explicar a razão das melancolias quotidianas que nos assolam o espírito por dá cá aquela palha. E que razão é essa, perguntam. E eu respondo, má gestão de expectativas, claro. O nosso problema é que mal nos dizem que algo é bom temos tendência a exagerar nos beneficíos esperados...Tal e qual como acontece quando o senhor João Pinto nos diz que tem as melhores bolas de Berlim da região e bla bla bla e nós aguardamos, pacientemente, esperamos que ele atenda as outras pessoas, faça troco de vinte euros, deite conversa fora com a quarentona do bikini às flores, leve tempos infinitos a procurar os guardanapos, tudo para saborear aquela bola de Berlim com creme que…afinal não é assim tão boa e para mais ainda nos deixa mal dispostos. Se querem ter supresas agradáveis e pôr fim a crises de nervos e choros compulsivos, dores de barriga e nós garganta e todas essas coisas que muito embora tornem a vida mais emocionante e digna de conversa criam uma sensação muito desconfortável que às vezes, simplesmente, não dá jeito nenhum, não acreditem quando vos dizem que algo é muito bom e desconfiem do que vos parece muito interessante para depois no fim ser um bocado parvo e mastigar de boca aberta...O segredo está no cepticismo! No franzir o sobrolho quando alguém vos diz que um filme é muito bom, que vão adorar o jantar ou que gostam muito de Pink Floyd...E dito isto vão lá vá, baixem-me essas expectativas e sejam felizes! Agora, não me venham pedir satisfações quando me encontrarem sentada à beira mar com um ar enjoado e açúcar nos cantos da boca…

*encontrada por alguém que, à semelhança de muito boa gente, não tem nada melhor para fazer do que pensar na vida (característica comum a quase todos os génios)

2 comentários:

ZdT disse...

Isto pôs-me com um sorriso de boca cheia*.











*talvez um desenho ajude: =D

Inês disse...

Retribuo com um sorriso, de orelha a orelha! ahah